Entrevista exclusiva com a EMBRAPA Pecuária Sul

Entrevista exclusiva com a EMBRAPA Pecuária Sul

MELHORAMENTO GENÉTICO: A IMPORTÂNCIA DA EFICIÊNCIA ALIMENTAR NA SELEÇÃO DE ANIMAIS EFICIENTES.

Atualmente, é mais do que comprovado que a alimentação dos animais representa mais de 60% dos custos totais de produção. Na pecuária é fundamental reduzi-los como forma de obter maior resultado financeiro. Por isso, a seleção de animais via Eficiência Alimentar tem se tornado uma prática cada vez mais adotada por criadores, principalmente aqueles que trabalham com Melhoramento Genético.

Consumo Alimentar Residual (CAR) e Ganho de Peso Residual (GPR). Essa classificação é a adotada pela EMBRAPA Pecuária Sul nas Provas de Avaliação de Campo (PAC) e na Prova de Eficiência Alimentar (PEA).
Entrevista exclusiva com os pesquisadores da EMBRAPA Sul sobre os critérios adotados para essa prova.

A fim de desassociar a seleção para Eficiência Alimentar à de outras características, criaram-se parâmetros de mensuração, como o Consumo Alimentar Residual (CAR) e Ganho de Peso Residual (GPR). Essa classificação é a adotada pela EMBRAPA Pecuária Sul nas Provas de Avaliação de Campo (PAC) e na Prova de Eficiência Alimentar (PEA).

*Ao final deste artigo, confira uma entrevista exclusiva com os pesquisadores da EMBRAPA Sul sobre os critérios adotados para essa prova.*

O VALOR DA TECNOLOGIA NA OBTENÇÃO DE UMA GENÉTICA SUPERIOR

Selecionar animais mais eficientes representa economia de até 15% de alimento por quilo de ganho em apenas duas gerações. Atentos a isso, as fazendas ligadas à seleção e melhoramento genético animal têm cada vez mais buscado investir em tecnologia e pecuária de precisão. Porém, é necessário usar as ferramentas certas para obter dados precisos e confiáveis que permitam gerar correta tomada de decisão.

Pensando em atender essa demanda, a INTERGADO desenvolveu a solução tecnológica Intergado Efficiency, que realiza a coleta dos dados de consumo de cada animal no cocho eletrônico e de peso vivo na plataforma de pesagem instalada em frete ao bebedouro. Os equipamentos disponibilizam, de forma automática, os dados associados ao comportamento de ingestão de alimentos e água, além da curva de crescimento, que são necessários para cálculo da eficiência alimentar. Essas informações são coletadas de forma voluntária, sem a necessidade de realizar a contenção dos animais. Tudo de maneira simples e facilmente acessados por computador, tablet e celular. Os benefícios são inúmeros, tanto para a saúde do rebanho quanto para os ganhos da fazenda.

A maioria das Provas de Eficiência Alimentar do Brasil, incluindo a da EMBRAPA, os equipamentos utilizados são da Intergado. Nenhuma novidade para os pecuaristas campeões, uma vez que 96% dos melhoradores do Brasil, que estão focados na seleção para eficiência alimentar, usam tecnologia da Intergado.

Para saber mais sobre o Intergado Efficiency clique aqui.

Prova da Embrapa Pecuária do Sul utilizando tecnologia da Intergado.
Eficiencia alimentar e o cocho eletrônico  Intergado.

CONFIRA AGORA A ENTREVISTA COM OS TÉCNICOS DA EMBRAPA PECUÁRIA SUL.

EMBRAPA Pecuária Sul – 05/2021

Entrevista realizada com pesquisadores Renata Suñe e Marcos Yokoo.

1)         Qual a importância da Eficiência Alimentar como objetivo de seleção?

Selecionar animais mais eficientes em termos de conversão alimentar, ou seja, aqueles animais que consomem menos e ganham mais peso.

2)         Quais são os requisitos para participar das provas de eficiência?

Os animais em avaliação devem pertencer ao mesmo grupo contemporâneo que inclui a raça, lote de manejo, sexo (machos, fêmeas, castrados, não castrados), idade com variação máxima de 90 dias e idade máxima ao encerrar o teste de 24 meses.

3)         Qual a idade dos animais e qual a variação aceitável? É feito um período de adaptação?

A variação máxima é de 90 dias de idade e os animais ao final do teste deverão estar no máximo com 24 meses. Existe um período de adaptação de no mínimo 20 dias.

4)         Existe algum controle quanto a manejos alimentares prévios dos animais?

O controle é feito durante o período de adaptação.

5)         Pode ter algum efeito residual da nutrição anterior?

Como utilizamos o período de adaptação de no mínimo 20 dias, com a nova dieta, esse período seria o suficiente para adaptar a flora ruminal à nova dieta e eliminar os efeitos da dieta anterior sobre a flora ruminal.

6)         Como um produtor deve se preparar para participar?

Obter informação, no caso da Embrapa Pecuária Sul, junto às associações de raça participantes das provas quanto aos requisitos necessários para participação. Atualmente trabalhamos com provas das raças Angus, Braford, Hereford e Charolês. As avaliações de reprodutores na Embrapa Pecuária Sul são realizadas em parceria com as associações de raças.

7) Quais são as características avaliadas pela EMBRAPA?

Avaliações Objetivas:

•          Medida da Área de Olho de Lombo

•          Medida da espessura de gordura subcutânea

•          Medida de gordura intramuscular

•          Exame andrológico para os machos (EA)

•          Medida de Perímetro Escrotal para os machos

•          Exame de Ovos por grama de fezes (OPG)

Avaliações Subjetivas:

Avaliações morfológicas, levando em consideração a conformação, o padrão racial e a sexualidade. Essa avaliação deverá ser realizada por uma dupla ou trio de técnicos das associações de raça.

8)         Os animais são ranqueados por características isoladas (melhor CAR, melhor GPR) ou há um índice geral? Se sim, qual seria esse índice?

Tem um índice. 50% para CAR e 50% para GPR

9)         O CAR é contestado por alguns pesquisadores por ser uma característica que supostamente pode impactar negativamente outras como fertilidade e acabamento de carcaça. Qual a opinião da Embrapa sobre isso?

Sobre a questão de fertilidade, existem controvérsias a este respeito. Sobre o acabamento de carcaça pode-se dizer que se selecionarmos apenas para eficiência alimentar poderia acabar incidindo negativamente sobre o acabamento de carcaça, pois estaríamos selecionando animais mais eficientes para deposição muscular. Porém o indicado é a seleção através de um índice que leve em consideração a eficiência alimentar, acabamento de carcaça e fertilidade.

10)       Há alguma mensuração concomitante às da prova de eficiência para fins de se monitorarem ou mesmo compor um índice que contemple tais características?

Para composição do índice de eficiência alimentar são considerados apenas o ganho de peso residual e eficiência alimentar residual. As medidas de ultrassom são apenas para monitoramento.

11)       Como são conduzidas as provas?

Os animais chegam na Embrapa Pecuária Sul e passam por um controle sanitário, com vacinações, vermífugos e etc. Após um período de 4-6 dias em potreiro para que os animais façam a primeira interação, já que os mesmos vêm de criatórios diferentes. Após isso eles passam para o ambiente do confinamento e passam a receber os alimentos que irão compor a dieta durante o período de adaptação e avaliação. Durante vinte dias em média os animais receberão os alimentos da dieta em quantidades crescentes de concentrado para adaptação ruminal. Inicia-se com um terço da quantidade total no início da primeira semana, aumenta para dois terços na segunda semana e se atinge o total da quantidade total de concentrado que será utilizado na terceira semana. Após os 20 dias de adaptação mantem-se a proporção dos constituintes da dieta e se oferece em dois ou três fornecimentos diários da dieta totalmente picada e misturada, à vontade. Os animais permanecerão após o período de adaptação por um período de cerca de 70 dias no período de avaliação. Durante este período estes animais tem controle total do consumo da alimentação da matéria verde.

12)       Qual a duração da prova?

90 dias, sendo 20 dias de adaptação e 70 dias de avaliação

13)       Qual a importância dos sistemas eletrônicos para mensuração do consumo (e do peso, se tiverem)?

No nosso caso, trabalhamos com a mensuração do consumo. Neste caso a avaliação da eficiência alimentar nos dá a possibilidade de medir com precisão o consumo individual diário de matéria verde dos animais, sem o qual não seria possível fazer a avaliação.

14)       Qual a importância das provas para a pecuária nacional?

A inserção nos sistemas de produção de animais melhoradores no quesito de eficiência alimentar, no médio e longo prazo a disseminação dessa dieta impacta a quantidade de consumo e a produção de resíduos.

15)       A Eficiência alimentar embora obviamente importante tem sido pouco explorada pelos programas de melhoramento. Como a EMBRAPA tem pensado em torná-la de fato característica relevante para os programas de seleção?

Só as provas de desempenho não seriam o suficiente. A ideia é além de realizar as provas de desempenho, genotipar os animais, ou seja, coletar os genótipos destes animais e a fazer associação entre a genotipagem e o resultado das provas de desempenho.

16)       Quando os pecuaristas e seus clientes passarão a colher frutos e ganhos econômicos da seleção para essa característica?

Quando os reprodutores retornam para os sistemas produtivos, os benefícios da utilização destes animais nos rebanhos já passam a disseminar os benefícios da eficiência alimentar para seus descendentes.


Bois Hereford e Braford em prova da Embrapa Pecuária do Sul.
Bois Hereford e Braford se alimentando em cocho eletrônico com tecnologia Intergado.

Related Posts

FALE COM UM CONSULTOR