fbpx

Tecnologias e o calendário de vacinações – Inteligência de precisão para a saúde animal.

Vacinação de bovinos

Tecnologias e o calendário de vacinações – Inteligência de precisão para a saúde animal.

A utilização de tecnologias na gestão de fazendas para o manejo, controle e prevenção de doenças, tem se mostrado cada vez mais essencial e eficiente na rotina dos pecuaristas. Há doenças que afetam diretamente o desenvolvimento dos animais e precisam ser monitoradas, tendo seu calendário de vacinações fielmente seguido.

No Brasil, doenças como a febre aftosa por exemplo, possuem próprio calendário de vacinações determinado pelo MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que teve a primeira fase finalizada em junho. Segundo o MAPA, essa fase imunizou mais de 166 milhões bovinos e bubalinos. Porém, em função da pandemia da Covid-19, o calendário de erradicação da aftosa, que tinha a previsão de ser suspenso ainda este ano, deve ter sua prorrogação confirmada para o início de 2021.  A segunda etapa do calendário acontece em novembro.

Monitorar para prevenir

Doenças como a brucelose, botulismo, clostridioses, carbúnculo, leptospirose e raiva bovina não possuem calendários oficiais e demandam uma atenção maior do produtor. Nesse momento as tecnologias de gestão das fazendas  são uma “mão na roda” para o pecuarista que busca de forma prática e eficiente o monitoramento do rebanho, controlando datas e prazos para que a vacinação dos animais ocorra conforme as categorias animais.

Algumas vacinas como a da leptospirose por exemplo, devem ser aplicadas em idades especificas das crias (entre quatro e seis meses de idade, com reforço após quatro semanas), com o rebanho sendo todo vacinado a cada seis meses.

Outras como a clostridiose, a recomendação de aplicação da primeira dose é a partir dos dois meses de idade dos bezerros, com reforço 30 dias depois, para crias de mães já vacinadas.

Ainda assim existem doenças que não podem ser evitadas por rotinas de vacinação nas fazendas ou calendários como do MAPA,  mas podem ser prevenidas através do monitoramento do animal, sem estressá-lo, via tecnologias de coletas de dados que definem e utilizam parâmetros para controle de peso, medição do índice de massa corporal, além da mudança comportamental ou distúrbios metabólicos. A gestão destas informações possibilita a antecipação de decisões e tratamentos preventivos do rebanho.

Tecnologia igual a tranquilidade para o produtor

O uso da tecnologia na gestão das fazendas tem propiciado ao produtor rural uma tranquilidade maior no controle e manejo da sua produção, ao permitir um melhor acompanhamento e adaptação destes calendários “próprios” de vacinação nas fazendas, onde o produtor define as datas conforme a fase do seu rebanho, sendo notificado para momento certo da aplicação das vacinas.

A tecnologia de captação e gestão dos dados ainda possibilita a execução de atividades preventivas a saúde e bem estar do animal ao informar qualquer mudança e sem estado fisiológico. A solução Intergado Beef traz essa praticidade para o pecuarista, pois realiza o acompanhamento diário do peso, gerando alertas que facilitam a identificação de falhas no manejo e doenças que possam estar em fase inicial, permitindo ao pecuarista a antecipação de decisões, contribuindo para o bem-estar dos animais.

Related Posts